A lenda de Momotaro

A lenda de Momotaro (ももたろう)é uma fábula rica em referências orientais, com a presença de ogros e animais personificados. Possui uma narrativa curta e busca transmitir valores morais como: senso de justiça, trabalho em equipe, perdão e sabedoria.

Segue abaixo a história do livro:

Há muito tempo atrás, em uma vila distante, vivia um casal de velhinhos.

Num certo dia, o velhinho foi colher lenha na montanha e a velhinha foi lavar roupas no riacho.

A velhinha estava lavando roupas quando, de repente, percebeu algo estranho boiando nas águas. Para sua surpresa, era um enorme pêssego.

– Nossa, nunca vi um pêssego tão grande assim! – exclamou a velhinha.

– Vamos, venha para mais perto – disse, acenando para a fruta.

Como se atendesse ao pedido da velhinha, o pêssego boiando aproximou-se, e com grande esforço, ela conseguiu retirá-lo da água e carregá-lo para casa.

Ao entardecer, quando o velhinho voltou, também ficou admirado:

– Que belo pêssego! Parece uma delícia…

– Estou até com água na boca. Vamos comê-lo?

A velhinha trouxe um facão e começaram a dividir a fruta. Mas ao primeiro corte, o pêssego partiu-se sozinho e de seu interior surgiu um menininho, que chorava alto.

Era um menino muito forte, porém doce e meigo.

Achando ser um presente dos céus, o casal decidiu adotar o lindo garoto e seu nome seria: MOMOTARO (Menino Pêssego).

O menino cresceu depressa, forte e saudável. Momotaro era a alegria dos pais. Dentre as suas muitas qualidades, destacavam-se a coragem e o senso de justiça.

Um dia, uma pessoa vinda da capital conversou com Momotaro sobre os Oni.

– Os monstros de Onigashima (Ilha do Demônio) estão espalhando terror entre a população, roubando tudo que temos e destruindo nossas casas.

Momotaro ficou tão bravo que tomou uma decisão:

– Vou à Ilha dos Oni para combatê-los.

A princípio, seus pais ficaram muito assustados, mas gostaram de ver a coragem do filho. Apesar do medo que sentiam, os velhinhos preparam kibidangos (bolinhos de kibi), para Momotaro levar na viagem.

No caminho, ele se deparou com um cãozinho que disse:

– Momotaro-san, Momotaro-san, por favor, dê-me um bolinho e eu irei com você enfrentar os Oni. Momotaro deu-lhe um kibidango e o cãzinho partiu com ele.

Mais adiante, encontraram um macaco.

– Momotaro-san, Momotaro -san, o que você leva nesta trouxinha?

– São kibidangos, os deliciosos bolinhos, os melhores do Japão – disse Momotaro.

– Pode me dar um? Assim eu irei com vocês – disse o macaco. E assim foi feito.

Momotaro, o cachorro e o macaco seguiram o caminho juntos e, mais à frente, viram um faisão. Ele também pediu e ganhou um kibidango.

Após longa caminhada, Momotaro e seus amigos chegaram à praia, subiram em um barco e remaram em direção à ilha dos Oni.

Navegaram tranquilos por algum tempo, até que o mar se tornou agitado.

O céu, antes muito azul, cobriu-se de nuvens escuras à medida que se aproximavam da ilha.

– Olhem, é ali! – foi o aviso dado pelo faisão, o primeiro que a avistou.

– Estamos chegando à ilha dos Oni! – disse o macaco.

Quando finalmente chegaram a Onigashima, encontraram um castelo enorme, protegido por um grande portão trancado, bloqueando o caminho.

O macaco, com toda sua agilidade, escalou o alto portão e destrancou-o por dentro.

Todos entraram no castelo e deram de cara com os horrendos Oni.

– Sou Momotaro e estamos aqui para castigá-los pelo mal que fizeram à população de nossa vila!

Então Momotaro abre sua trouxinha e avisa:

– Comendo estes kibidangos, terei o poder equivalente a 100 homens!

Os monstros, então, achando graça, partiram para a luta.

Momotaro lutava corajosamente com sua espada contra o líder dos Oni e jogou contra o chão.

– Aaaaiiii! Que força! – falou o monstro choramingando.

O faisão bicava os olhos dos monstros, o macaco pulava em cima de suas cabeças e os arranhava, o cãozinho mordia suas pernas e braços.

– Aiiii, Uiiiii, por favor, parem de bater na gente – disseram os Oni.

Finalmente, após muita luta, Momotaro e seus companheiros derrotaram os Oni.

– Nunca mais vamos invadir as aldeias e prejudicar os moradores, nós prometemos!

– Por favor, poupe nossas vidas – disse o chefe dos Oni, chorando e pedindo perdão.

Compreensivo e bondoso, Momotaro-san perdoou os Oni.

Em troca, o chefe Oni devolveu-lhes os tesouros que eles vinham roubando das aldeias.

Momotaro retornou para casa e, quando seus pais o viram, não puderam acreditar.

Ele estava salvo e carregava um grande tesouro, que foi devolvido para as vilas atacadas pelos Oni.

Então, todos viveram em paz e harmonia, graças à bravura de Momotaro, o menino que nasceu de um pêssego.

Muito legal essa história né?

No próximo post eu vou explicar mais sobre alguns termos em japonês que aparecem na história. Pequenas notas culturais e curiosidades.

Até mais!

Anúncios

6 pensamentos sobre “A lenda de Momotaro

  1. Nane chan disse:

    Essa história é muito muito muito legal mesmo!

  2. Momotaro wa kakkoii desu ne?
    Esperando ansiosamente pelo próximo post *-*

  3. Tássia Nati disse:

    Ah que legal!! A ilustração ficou a cara dele =)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: